Blue Flower

Seja benvindo(a)!

DIGITE O TERMO NA PESQUISA, APERTE O ENTER E AGUARDE O MELHOR RESULTADO!

    

                                                                                

   Antônio Jorge de Queiroz Jucá nasceu em Crateús, a 02 de março de  1915, filho de Leonel Jucá Bezerra e de Maria Jorge de Souza Jucá, (Marocas). Neto paterno de José Bezerra Cavalcante e de Maria Inácia Jucá. Neto materno do Dr. Manuel Rufino Jorge de Sousa, nasceu em Caicó, RN, (irmão dos Padres Francisco e Vicente Jorge de Souza, e filho de Félix Jorge de Souza Oliveira e Maria Vitória do Nascimento) e de Francisca da Silva Magalhães, casada em Itapajé, a 26 de junho de 1881.

   Termo de batismo do Doutor Antônio Jorge de Queiroz Jucá.

“Aos vinte de abril de 1915, na (Igreja) Matriz desta cidade (Crateús), batizei solenemente Antônio, nascido em dois de março do mesmo ano, filho legítimo de Leonel Jucá Bezerra e Maria Jorge Jucá. Foram padrinhos, o Padre José Veloso Jucá e Francisca Bezerra Jucá. E para constar lavrei este assento. O Vigário, José Juvêncio de Andrade.” Cf. Livro de Batismos, Senhor do Bonfim, Crateús. 

 

   O Dr. Antônio Jucá graduado pela Faculdade de Medicina da Bahia, 1937.  Estagiou nos Estados Unidos (Massassuchets General Hospital e Tulane University), deixando a melhor impressão entre os grandes mestres estadunidenses. Um dos fundadores e Professor da Universidade Federal do Ceará. Cardiologista. Médico e Presidente do extinto IAPI (Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Industrializados).         Presidiu o Centro Médico Cearense e o Congresso Brasileiro de Cardiologia realizado em Fortaleza em 1951. 

   Suplente do Senador Carlos Jereissati, substituiu-o por motivo de morte. Permaneceu no Senado por dois anos, pois faleceu em 26 de outubro de 1965, na cidade do Rio de Janeiro.

 

   Termo de casamento do Dr. Antônio Jorge de Queiroz Jucá.

“Aos quatorze de dezembro de 1940, na Matriz do Carmo, desta Arquidiocese de Fortaleza, compareceram na presença do Padre Amarílio Rodrigues (de Paula), Antônio Jorge de Queiroz Jucá e Maria Júlia Pinto Montenegro, ele vinte e cinco anos, filho legítimo de Leonel Jucá e de Maria Jucá, ela com dezoito anos, filha legítima de Antônio Montenegro e de Maria Antonieta Pinto Montenegro em tudo habilitados segundo o Direito para se receberem como marido e mulher, e lhes dei a bênção nupcial. Foram testemunhas, Osiel Pinto e o Doutor Osvaldo Jucá. Em testemunho da verdade assino.” Cf. L Mat Ig. Carmo, Fortaleza.  familysearch.org. 

Filhos por Antônio Jucá e Dona Maria Júlia:

 Gláucia Montenegro Jucá.

Afrânio Montenegro Jucá.

 Lúcia Montenegro, Jucá.

Vanda Montenegro Jucá.

Ana Maria Montenegro J ucá.

   Irmãos germanos do Dr. Antônio Jorge de Queiroz Jucá.

  “Leonel Jucá Filho nasceu a nove de agosto de 1913, e foi batizado a 28 de outubro do dito ano, na Igreja Matriz de Crateús, pelo Vigário, Padre Joaquim Rosa. Filho legítimo de Leonel Jucá Bezerra e de Maria Jorge Jucá. Foram padrinhos, o Doutor Antônio Gomes Coutinho de Macedo e Raimunda Cavalcante Macedo. E para constar lavrei este assento que assino. O Vigário, Joaquim Rosa.”   Cf. Livro de Batismos, Crateús. 

   Dr. Raimundo Wilson de Queiroz Jucá, nasceu em Crateús, 26 anos de idade, filho de Leonel Jucá Bezerra e de Maria Jorge de Souza Jucá casou-se a 11 de abril de 1945, na Igreja do Carmo, Fortaleza, com Cármen Gomes Monte, n. 10.02.1923, filha de Eurico Monte de Souza e de Ana Alice Gomes .  LBatCarmo LMatCarmo.

    Termo de casamento de Leonel Jucá Bezerra e Maria Jorge de Souza Jucá, pais do Dr. Antônio Jorge de Queiroz Jucá..

“Aos quatro de junho de 1902, nesta (Igreja) Matriz de Caratheús, às cinco horas da tarde, compareceram em minha presença os contraentes Leonel Jucá Bezerra  e Maria Augusta Jorge de Souza, em tudo habilitados segundo o Direito, sem impedimento algum; ele viúvo, (de D. Maria da Purificação Nunes Jucá, natural de Oeiras, Piauí), de idade ... (espaço em branco) ... anos; e ela solteira, de idade vinte e cinco anos; naturais, ele de Quixeramobim e ela de Campo Maior, (Piauí), Bispado do Maranhão, e moradores ambos nesta Freguesia de Caratheús; os quais contraentes se receberam por marido e mulher com palavras de presente; e logo lhes dei as bênçãos nupciais segundo o Rito da Santa Madre Igreja Católica, sendo testemunhas presentes Firmino José Rosa e Ludgero Carlos de Melo Falcão que comigo assinaram o presente termo por mim feito para a todo tempo constar. Padre Francisco Carlos de Moraes. Encomendado.”  Cf. Livro de Matrimônios, Senhor do Bonfim, Crateús. 

       

                      Cf. Livro de Matrimônios, Senhor do Bonfim, Crateús. 

   Termo de óbito da primeira esposa de Leonel Jucá Bezerra, pai do Dr. Antônio Jorge de Queiroz Jucá.

“Aos vinte e quatro dias do mês de fevereiro do ano de 1900 (1901) nesta Vila de Carateús, deste Bispado do Ceará, às dez horas e um quarto da manhã faleceu Maria da Purificação Souza Jucá, casada que foi com Leonel Jucá Bezerra, moradora nesta Freguesia de Carateús, tendo recebido os Sacramentos da Santa Madre Igreja Católica, de idade de vinte e seis anos. Seu cadáver amortalhado em hábito preto e depois de encomendado solenemente por mim abaixo assinado foi sepultado no Cemitério do Senhor do Bonfim (Crateús). E para constar lavrei este assento que assino. O Vigário Encomendado Miguel Xavier de Moraes.” O ano dos termos anteriores e posteriores é 1901.   Cf. Livro de Óbitos, Crateús. 

   Filho por Maria da Purificação Souza Jucá e Leonel Jucá Bezerra.

Odilon de Queiroz Jucá nasceu a oito de maio de 1899, Crateús, filho de Leonel Jucá Bezerra e de Maria da Purificação Souza Jucá. Batizado pelo Padre Miguel Xavier de Moraes. Padrinhos: José Jucá Bezerra e Maria Inácia Jucá.”  Dr. Odilon de Queiroz Jucá, formado a 30 de novembro de 1930. Cf. Livro de Batismos de Crateús.

   Termo de casamento dos avós paternos do Dr. Antônio Jorge de Queiroz Jucá.

“Aos sete de novembro de 1861, na Capela de Boa Viagem, depois de preenchidas as formalidades de direito o Reverendo Antônio Correia de Sá, de faculdade minha, assistiu a se receberem em matrimônio e deu as bênçãos nupciais aos meus paroquianos José Cavalcante d’ Albuquerque Bezerra e Maria Inácia de Jucá, naturais e moradores nesta freguesia de Quixeramobim, esta (a nubente) filha legítima de Inácio Lopes Barreira e de Maria de Nazaré, e aquele filho legítimo de Joaquim Cavalcante Bezerra e de Maria Vicência de Queiroz: sendo testemunhas, José Gomes da Costa Mendes e Lúcio Álvares da Costa; e para constar mandei fazer este assento em que me assino. Cônego, Vigário, Antônio Pinto de Mendonça.” Anotado à margem: Brancos. Cf. Mat. Quixeramorim

Fonte: Livros Eclesiais da Igreja Católica Apostólica Romana. - Francisco Augusto de Araújo Lima. Famílias Cearenses Treze – Siará Grande - Uma Província Portuguesa no Nordeste Oriental do Brasil. Ed. Expressão Gráfica. Fortaleza. 2016. Quatro Volumes. 2300 p. Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. Editado por Fco. Augusto, Fortaleza, 29.03.2019.