Blue Flower

Seja benvindo(a)!

DIGITE O TERMO NA PESQUISA, APERTE O ENTER E AGUARDE O MELHOR RESULTADO!

    

                                            

      Francisco Humberto de Queiroz Pinto  Engenheiro Agrônomo,  1964, UFC. Nasceu a 10 de novembro de 1939, em Fortaleza, filho de Antônio Pinto de Mesquita, n. 1890, Belém, Itatira, e de Odília Moreira de Queiroz Pinto. Neto paterno de Pedro Pinto de Mesquita e de Maria Raimunda de Oliveira. A família Queiroz Pinto residiu na Avenida João Pessoa, lado da sombra, (fachada da casa voltada para o nascente), quase vizinha da Casa da Porciúncula, das Irmãs Missionárias Capuchinhas, com o quintal rumo poente dando para a Lagoa da Parangaba. 

    Francisco Humberto, foi Extensionista Agrícola da ANCAR - Ceará, Ematerce. Técnico da CEPA, Ceará. e da Secretaria da Infra Estrutura, SEINFRA. Proprietário da Floema Indústria de Produtos Naturais, Aquiraz. Casou-se com Luíza de Marilac Sales Pessoa, a 22 de janeiro de 1966, na Paróquia da Sé em Fortaleza, com geração. Termo de Batismo.“Aos dezessete de dezembro de 1939, na Igreja do Rosário, solenemente batizei a Francisco nascido na Freguesia de ... (não diz) a dez de dez de novembro de 1939, filho legítimo de Antônio Pinto de Mesquita e de Odília de Queiroz Pinto, moradores na Paróquia de ... (não diz). Foram padrinhos, Francisco Pereira da Costa Queiroz e Alzira Pinto de Mesquita. E para constar, lavrou-se este termo que assino. O Vigário Monsenhor Luís de Carvalho Rocha.” Anotado á Margem: Extraído a 23.11 de 1965, para casamento. Casou-se com Luíza de Marilac Sales Pessoa, a 22 de janeiro de 1966, na Paróquia da Sé em Fortaleza. Padre Tito Guedes Cavalcante.  Cf. Livro de Batismos, Fortaleza. 

        Termo de casamento dos pais de Francisco Humberto.No dia seis de fevereiro de 1926, compareceram em minha presença na Catedral (de Fortaleza) os nubentes, meus paroquianos, Antônio Pinto de Mesquita e Odília Moreira de Queiroz, ele trinta e seis anos de idade, e ela com vinte e três, ambos solteiros e naturais desta Freguesia, sem impedimentos: receberam-se por palavras de presente por marido e mulher, e logo lhes dei as bênçãos nupciais, sendo testemunhas presentes, o Doutor (Benedito) Sudá de Andrade e Antônio Alves Costa, Do que para constar, mandei fazer este termo que assino. O Cura, Padre Luís de Carvalho Rocha.” Cf. Livro de Matrimônios, Fortaleza.  Termo de batismo de Antônio Pinto de Mesquita.“Aos vinte e quatro de janeiro de 1891, na Capela do Belém, desta Paróquia, Bispado do Ceará, o Reverendo Vigário Manoel Cordeiro da Cruz de minha licença, batizou solenemente ao párvulo Antônio, nascido aos vinte e sete de novembro do ano anterior (1890), filho legítimo de Pedro Pinto Primeiro (sic) e de Maria Raimunda de Oliveira Pinto, naturais desta Paróquia e nela batizados. Foram padrinhos, José Rodrigues Tavares Segundo e Ana Maria de Oliveira, que conheço pelos próprios. E para constar lavrei este termo que assino. O Vigário, Padre Salviano Pinto Brandão.” Cf. Livro de Batismos, Itatira.

      Filhos anotados por Dona Odília Moreira de Queiroz e Antônio Pinto de Mesquita.

    A. Diva Maria, “Aos dezenove de dezembro de 1931, na Catedral Metropolitana (de Fortaleza) solenemente batizei a párvula Diva Maria, nascida na Freguesia de São José da Sé (de Fortaleza, aos seis de novembro de 1931, filha legítima de Antônio Pinto de Mesquita e de Odília de Queiroz Pinto de Mesquita, moradores na Paróquia de São José da Sé. Foram padrinhos, Álvaro Alves Monteiro e Almerinda Alves Monteiro. E para constar, lavrou-se este termo que assino. O Vigário, Monsenhor Luís de Carvalho Rocha.” Cf. Livro de Batismos, Fortaleza.

    B. Luís Antônio de Queiroz Pinto, Advogado, UFC, falecido precocemente.

    C. Francisco Humberto de Queiroz Pinto supra.

    D. Alberto Carlos de Queiroz Pinto, Eng. Agr. 1969, UFC.

   Descendentes de João Pinto de Mesquita, batizado a primeiro de julho de 1700, Celorico de Basto, Braga, filho de Simião Pinto de Mesquita Jr., Simeão, e de Isabel de Moura, Isabel Maria de Moura. Neto paterno do Capitão Mor de Celorico de Basto, Simião Pinto de Mesquita, e de uma mulher solteira, não nominada. Neto materno de João Coelho e de Maria de Moura, todos de Celorico de Basto.

    Francisco Humberto é sobrinho do Professor Clodoaldo Pinto  que nasceu a  27 de outubro de 1896, em Belém, Itatira, Ceará, filho de Pedro Pinto de Mesquita e de Maria Raimunda de Oliveira. O Dr. Clodoaldo casou-se de idade 30 anos, a 27 de dezembro de 1926, com Maria Nilda Saraiva, n. Fortaleza, de idade 22 anos, filha de Cândido Alexandrino Rabelo e de Maria Luíza Saraiva. O Professor Clodoaldo faleceu em Fortaleza a 12 de julho de 1979. Termo de casamento.“Aos vinte e sete de dezembro de 1926, compareceram na presença do Reverendo Geminiano Bezerra de Menezes, os nubentes o Dr. Clodoaldo Pinto com trinta anos e Maria Nilda Saraiva, com vinte e dois anos, habilitados segundo o direito canônico, naturais ambos desta cidade (da Fortaleza) e residentes ambos nesta Paróquia, ele filho legítimo de Pedro Pinto (de Mesquita) e Maria de Oliveira Pinto, e ela filha legítima de Cândido Alexandrino Rabelo e Maria Luíza Saraiva Rabelo, os quais contraentes se receberam em matrimônio e logo em seguida lhes foram dadas as bênçãos nupciais, serviram de testemunhas, o Dr. Aurélio de Lavor e Manoel Monteiro. E para constar lavrou-se este termo que assino. O Vigário, Padre Geminiano Bezerra de Menezes.”  Cf. Livo de Matrimônios, Fortaleza.

Termo de batismo Dr. Clodoaldo Pinto. "Aos seis de janeiro de 1897, na Capela de Belém, (Itatira) desta Paróquia, Bispado do Ceará, o Reverendo Raimundo Teles de Souza, batizou solenemente a Clodoaldo,  filho legítimo de Pedro Pinto (de Mesquita) e de Maria Raimunda de Oliveira Pinto, naturais deste Bispado, e nele batizados. Foram padrinhos, Esmerino Rodrigues de Mesquita e Ponciana Rodrigues Martins, que conheço pelos próprios. E para constar lavrei este termo que assino. O Vigário, Padre Salviano Pinto Brandão.”   Cf. Livro de Batismos de  Itatira.  Ver Ernando Uchoa Lima. Primeiro Centenário de nascimento do Prof. Clodoaldo Pinto. RIC. 1996. p. 237/243. Raimundo Girão. O Ceará. Itatira. Terceira Edição. Fortaleza. Editora Instituto do Ceará. Fortaleza. 1966. p. 318.

Cf. Francisco Augusto de Araújo Lima. Famílias Cearenses Treze. Siará Grande - Uma Província Portuguesa no Nordeste Oriental do Brasil. Ed. Expressão Gráfica. Fortaleza. 2016. Vol. III. p. 1183.  Francisco Augusto, Fortaleza, 27.01.2019. Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.   Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.