Blue Flower

Seja benvindo(a)!

Digite o termo na pesquisa conforme o Sumário atual da terceira etapa. Aperte o enter e aguarde o melhor resultado. Após entrar no tema da publicação, busque a palavra do seu interesse usando as teclas Ctrl + f. surgirá uma barra superior onde se deve digitar a palavra chave, p. ex. "Dummar", logo aparecerá ressaltada, com o número de vezes que se acha no texto. 

 

Ford inglês Anglia 1948. Fonte: Google Imagens. Em um Anglia semelhante a este, de propriedade do Senhor Eduardo Brígido Monteiro, Dudu, Estácio Brígido Monteiro (Sobrinho) iniciou a sua paixão pelo automobilismo. 

   

          Por Francisco Augusto de Araújo Lima. faal.ww@gmail.com genealogia@familiascearenses.com.br Fortaleza, 15.10.2017. Re - edição, 29.11.2018.  Atualizado: 26.06.2021. 

 

   João dos Santos Lopes batizado janeiro de 1738, no Distrito de Beja. Filho de Custódio dos Santos, segundo matrimônio, natural da Vila de Linhares, Bispado de Coimbra, e de Maria do Rosário, primeiro matrimônio, n. na Vila da Vidigueira. Neto paterno de Manoel João e de Maria Correia. Neto materno de Manoel Lopes Rebelo, n. Odemira, Beja, e de Isabel Baião, Isabel Bayoa, n. na Vila de da Vidigueira.

 

        

 

   João dos Santos Lopes residiu no lugar Capim Pubo, Icó, Ceará, onde faleceu no ano de 1820, com 80 anos de idade, e foi sepultado na Capela do Senhor do Bonfim da Vila do Icó. Casou-se com Ana de São Pedro, n. na Freguesia do Divino Espírito Santo de Inhambupe, Bahia, filha de Manoel Lopes (Aranha) e de Maria do Ó, solteira. D. Ana de São Pedro faleceu na Vila do Icó, no ano de 1804, com 56 anos de idade pouco mais ou menos.

   Filhos anotados:

1. Joaquim dos Santos Lopes

2. Manoel Brígido dos Santos

3. Isabel

4. José de Santa Ana

5. Maria Francisca da Conceição.

 Manoel Brígido dos Santos nasceu a 13 de novembro de 1774, na Freguesia do Icó, batizado a 23 seguinte, na Igreja Matriz de N. Senhora da Expectação do Icó, por padrinho Manoel das Virgens de Oliveira, casado, (com Quitéria Maria da Conceição), tantum.

   O Advogado licenciado e pecuarista, Manoel Brígido dos Santos casou-se com Isabel Inácia de Mendonça, n. Paraíba, filha do Sargento Mor Manoel Francisco de Mendonça e de Luzia Carneiro da Luz. Manoel Brígido dos Santos faleceu em 13 de junho de 1822, no Icó. Filhos:

2.1. Inácio Brígido dos Santos

2.2. Ana Inácia dos Santos

2.3. Felipa Benícia dos Santos

2.4. Maria Egipicíaca Brígida dos Santos 

2.5. Antônio Raimundo dos Santos Brígido

2.6. Manoel Brígido dos Santos

 2.1 Inácio Brígido dos Santos, batizado a 10 de novembro de 1800, Icó, Ceará. Licenciado, Escrivão dos Ofícios reunidos de Santa Cruz da Uruburetama. Casou-se com Vicência Maria de Jesus, n. Cantagalo, Rio de Janeiro, oriunda de Piranga, Minas Gerais, filha de Francisco de Paula Rubim, (família Siqueira), e de Maria Juliana Leite, São Paulo. Inácio faleceu em 26 de abril de 1871. Rubim: “antigo proprietário do Córrego dos Índios, Meia Laranja, Santa Maria Madalena, Rio de Janeiro.” Filhos 2.1.1.-2.1.8.:

2.1.1. João Brígido dos Santos

2.1.2. Constantino Brígido dos Santos

2.1.3. Francisco Brígido dos Santos

2.1.4. Cassiano Brígido dos Santos

2.1.5. Guilherme Brígido dos Santos 

2.1.6. Maria da Glória 

2.1.7. Enéas Brígido dos Santos 

2.1.8. Raimundo do Vóssio Brígido

 

                                                                                            

                                                                                   João Brígido Fonte http://www.google.com.br/

 

  2.1.1. João Brígido dos Santos nasceu a 03 de dezembro de 1829, em São João da Barra, Espírito Santo, depois Rio de Janeiro.  Jornalista brilhante, “deixou registros da história política do Ceará, e nela desempenhou um papel marcante desde os anos de 1860 até 1921.” Homem de coragem, defensor dos oprimidos, tornou-se conhecido e querido em todo o país. No ano de 1904, aos 75 anos de idade, a bordo do navio “Brasil” vai à cidade do Rio de Janeiro, cuidar do caso do Capitão Antônio Clementino de Oliveira uma das vítimas do Babaquara, Antônio Pinto Nogueira Accioly. A sua chegada a cidade do Rio de Janeiro é recebido com especial carinho e honrarias. Consegue junto com seu sobrinho Virgílio Brígido e outro notável advogado o Coronel Agapito Jorge dos Santos o habeas-corpus no S.T.J. Vitorioso, cuida sem sucesso, de fazer a cirurgia de catarata, com o renomado médico cearense José Cardoso de Moura Brasil.

  João Brígido casou-se com sua prima Maria Joana Brígido dos Santos nasceu a 02 de dezembro de ou 13 de maio de 1837. João Brígido faleceu em 14 de outubro de 1921, em Fortaleza. Em longo artigo sobre a vida de João Brígido, o Jornal do Ceará informa seu nascimento a 01.12.1829. O Jornalista João Brígido dos Santos foi vítima da família Accioly: Sancho Ribas, pseudônimo de um seguidor do Babaquara, (Accioly), autor do folheto - O Africano ou João da Brígida, em forma  de poema em  três  cantos, que foi respondido à altura.

  Oito filhos por Maria Joana Brígido dos Santos e João Brígido dos Santos, entre eles João Brígido Filho, o mesmo João Brígido dos Santos Filho, João Brígido dos Santos Júnior nasceu aos 27 de julho de  1858, Bacharel pela Faculdade de Direito do Recife, 1884. Júnior faleceu a 19 de Agosto de 1894, em Morada Nova. Promotor Público de Manaus, Amazonas - 1887. Procurador Fiscal da Tesouraria a {dos Feitos} da Fazenda no Estado do Ceará, 09.07.1891. Caixa Econômica do Ceará. 

     E destaque para a filha caçula de João Brígido dos Santos, D. Ana Brígido Monteiro, Nanoca nasceu a vinte e nove de julho de 1879, em Fortaleza, onde faleceu a 14 de abril de 1937. Casou-se com Armando Monteiro, natural de Porto Alegre, Rio Grande do Sul.

   O Deputado Provincial Armando Monteiro nasceu no ano de 1876, na cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, filho de Estácio Monteiro e de Dona Josefina Monteiro. Faleceu em Fortaleza no dia três de agosto de 1931.

Armando veio para  Ceará cursar a Escola Militar do Exército, e uma vez extinta esta, fixou aqui residência e constituiu família. Dedicou-se, primeiramente, ao comércio, exercendo as funções de guarda - livros da Casa Boris Frères, e depois ao magistério.  No ano de 1892 já era professor do Liceu do Ceará e a 06 de junho de 1899, foi nomeado Catedrático da Segunda Cadeira de Português do Liceu cearense, estabelecimento de ensino onde prestou serviços por trinta e seis anos, aposentando-se no ano de 1928/1929. Por ato de 15 de abril de 1919, diretor do Liceu - atual Colégio Estadual do Ceará, permanecendo como Diretor até o ano de 1928. Gerente do Jornal o Unitário até a sua última edição sobre o comando do seu sogro João Brígido dos Santos.

      Irmãos anotados do Professor Armando Monteiro:

- Mário Monteiro, funcionário das DOCAS, Santos, São Paulo.

Cláudio Monteiro, Coronel Intendente do Exército. 

- Marieta Monteiro Leão de Aquino, viúva do Doutor João Leão de Aquino, Médico, residentes que foram em Santa Teresa, cidade do Rio de Janeiro e do Doutor Dário Monteiro.     

                                                                                           

   Ana Brígido Monteiro, Nanoca e Armando Monteiro pais de oito filhos, entre eles:

2.1.1.1. Carlos Brígido Monteiro que faleceu jovem e inupto. Aluno do Colégio Colombo, Fortaleza, 02.12.1910. Aos 31 de outubro de 1920, compareceu a Missa na Igreja da Candelária, cidade do Rio de Janeiro, em sufrágio da alma do Dr. Virgílio Brígido. 21.11.1925. Inauguração do Campo Carlos Brígido Monteiro, em Maracanaú, Ceará. Cf. Hemeroteca Digital, Biblioteca Nacional, RJ.

2.1.1.2. Estácio Brígido Monteiro, Monteirinho nasceu no ano de 1895. Faleceu afogado, jovem, 18 anos, na Praia de Iracema, Fortaleza, aos 06 de dezembro de 1913. Seu corpo somente foi encontrado às onze horas da noite do dia sete sendo logo sepultado. Cf. Hemeroteca Digital Biblioteca Nacional, RJ.


2.1.1.3. Margarida Brígido Monteiro nasceu a vinte e cinco de junho de 1907 (novecentos e sete), e faleceu inupta a vinte de fevereiro de 1972.

Termo de batismo: “Aos cinco dias do mês de julho de 1911, nesta Igreja Paroquial da Freguesia de São Luís Gonzaga, de licença minha, foi solenemente batizado pelo Padre José Barbosa de Jesus, a párvula  Margarida, filha legítima de Armando Monteiro e de Ana Brígido Monteiro nascida a vinte e cinco de junho de 1907, sendo seus padrinhos, Cláudio Monteiro e Emília Montenegro. E para constar mandei fazer este termo que assino. O Vigário João Dantas Ferreira Lima.” Cf. Livro de Batismos, Ceará, familysearch.org.

2.1.1.4. Eduardo Brígido Monteiro, Dudu nasceu no dia cinco de julho de 1910, em Fortaleza. Cursou a Faculdade de Farmácia e Odontologia não concluindo. Funcionário da Rede Viação Cearense, primeira rede ferroviária cearense onde seu avô materno João Brígido foi acionista e co - fundador. Funcionário dos Diários Associados. Primeiro presidente da Associação Cearense de Propaganda e dono da Dudu Publicidade. Na juventude, Dudu foi craque, jogando em vários clubes, particularmente, o Maguari Esporte Clube. No início da década de cinquenta construiu casa e passou a residir na Rua Cornélio Fernandes, n° 192, depois nominada de Rua Álvaro Fernandes, ao poente da Av. João Pessoa, Bairro Damas, onde fez amigos e era muito estimado. Faleceu a 30 de outubro de 1973, sendo velado em sua própria residência, no estilo da época, e foi sepultado no dia seguinte, no Cemitério de São João Batista, Fortaleza, Ceará.

Termo de batismo: Aos cinco dias do mês de julho de 1911, nesta Igreja Paroquial da Freguesia de São Luís Gonzaga, de licença minha, foi solenemente batizado pelo Padre José Barbosa de Jesus, o párvulo Eduardo, filho legítimo de Armando Monteiro e de Ana Brígido Monteiro nascido a cinco de julho de 1910, sendo seus padrinhos, o Doutor José de Castro Medeiros e Minerva Vóssio Brígido (Minerva Brígido dos Santos, terceira esposa do seu tio Raimundo Vóssio Brígido dos Santos). E para constar mandei fazer este termo que assino. O Vigário João Dantas Ferreira Lima.” Cf. Livro de Batismos, Ceará, familysearch.org.

 

  O Sr. Eduardo Brígido Monteiro casou-se no mês de setembro de 1937, Fortaleza, com a  Senhorinha Edna do Amaral Jatobá, que nasceu a 29 de junho de 1915, filha de Luís Jatobá e de Idelsuith, Idelsuite Viana do Amaral Jatobá. Paraninfos no ato civil: Dr. Abner Brígido Costa e Senhora; Dr. Vóssio Brígido e Dona Pacífica Brígido; Coronel Francisco Diogo de Siqueira e Senhora; Marcelino Perdigão e Senhora e Luís Brígido. No religioso foram paraninfos: o Dr. Antônio Pimentel e Senhora; Sandoval Viana do Amaral e Senhora; o Capitão Aloísio Brigido Borba e Senhora; Dr. Mozart Viana do Amaral e Senhora; Antônio Capibaribe e o Deputado Elpídio Prata e Senhora. Cf. Jornal A Razão. 29.09.1937. 

    Dona Edna do Amaral Jatobá, aluna da 1ª turma da Escola Doméstica São Rafael, Fortaleza, diplomada às 16 horas, de um domingo, 06 de junho de 1937,  em Arte Culinária e Corte e Costura. A Escola São Rafael, frequentada por moças casadouras da elite fortalezenseNeta paterna de José Inácio Jatobá, Chefe do Telégrafo Nacional de Natal, RN, e de Virgínia Chaves Jatobá faleceu, já viúva, na cidade do Rio de Janeiro, onde residia aos 04 de setembro de 1948. Cf. Hemeroteca Digital, Biblioteca Nacional, RJNeta materna de Manoel da Rocha Amaral e de Helena Viana do Amaral nasceu no dia 27 de junho. O Sr. Manoel da Rocha Amaral aos 03 de agosto de 1883, viaja a bordo do paquete francês, Valle, com destino a Belém do Pará. Querela chula na imprensa envolvendo o Sr. Manoel da Rocha Amaral e um seu parente, sobre dívidas e o Sítio São José, Pacatuba. Dono do Café Aristocrata, Praça dos Mártires, (Passeio Público) n° 19, Fortaleza. 06.11.1881. 

      Família Viana do Amaral & Jatobá.

Luís Jatobá n. em Fortaleza, filho  de José Inácio Jatobá e de Virgínia Chaves Jatobá. Casou-se a 22 de novembro de 1908, na Capela da Santa Casa de Misericórdia, Fortaleza, com Idelsuite Viana do Amaral Jatobá, n. Fortaleza, filha de Manoel da Rocha Amaral e de Helena Viana do Amaral. Presentes, o Padre José Leorne Menescal, as testemunhas, Eugênio Nunes de Lima e Militão de Oliveira Bivar. Cf. Livro de Matrimônios, familysearch.org. 

        Luís Jatobá casado com Ildezuíte do Amaral Jatobá, pais de 1.-6.

1. Virgínia do Amaral Jatobá n. em Fortaleza, casou-se a 04 de dezembro de 1929, Fortaleza, com o Sargento do 23 B.C.,  Oscar Bezerra de Menezes, filho de Virgílio Bezerra de Menezes e de Elisa Pacheco de Menezes. Presentes, o Padre José Alves Quinderé, as testemunhas, Mozart Viana Amaral e Sandoval Viana Amaral. Pais de 1.1.

1.1. Virgílio Oscar nasceu aos 11 de abril de 1931, e foi batizado aos 20 de julho do mesmo ano, na Igreja Matriz de Baturité, pelo Padre Artur Redondo. Padrinhos, Virgílio Bezerra de Menezes e Elisa Pacheco de Menezes. Cf. Livro de Batismos, Ceará, familysearch.org.

2. José Jatobá do Amaral nasceu em Macau, Rio Grande do Norte, 36 nos de idade, casou-se aos 15 de dezembro de 1945, às 16 horas, Fortaleza, com Alda Façanha do Nascimento nasceu em Maranguape, Ceará, 32 anos, filha de Joaquim Frutuoso do Nascimento e de Maria Façanha do Nascimento. Presentes a cerimônia religiosa de casamento, o Padre Expedito Eduardo de Oliveira, as testemunhas, Ernani Gomes do Nascimento e Lenira do Nascimento Arraes. Cf. Livro de Matrimônio, Fortaleza, famililysearch.org.

3. Helenita, Helena do Amaral Jatobá nasceu no dia 24 de janeiro, no Rio Grande do Norte. Casou-se a 05 de abril de 1930, em casa particular, Fortaleza, com Antônio Menezes Pimentel, n. Santa Quitéria, Ceará, filho de José Vitorino Menezes de Oliveira e de Francisca Carolina Menezes de Oliveira. Presentes a cerimônia religiosa de casamento, o Padre José de Lima Ferreira, as testemunhas, o Doutor Francisco Menezes Pimentel e Mozart Viana do Amaral. Cf. Livro de Matrimônios, Ceará, familyseaarch.org.

4. Maria Luíza nasceu em 10 de janeiro e no ano de 1932 era aluna da Escola Modelo, Fortaleza.

5. Odete Amaral Jatobá nasceu aos 06 de agosto, e no ano de 1929 era uma Senhorinha. Funcionária dos Correios e Telégrafos. 07.08.1936. Cf. Hemeroteca Digital, Biblioteca Nacional, RJ.

6. Edna do Amaral Jatobá nasceu a 29 de junho de 1915, e faleceu a 17 de março de 1998. Ver acima.

 

 Manoel da Rocha Amaral e sua mulher Helena Viana do Amaral, pais dos filhos anotados:

1. Idelzuite Viana do Amaral, casada com Luís Jatobá, ver acima.

2. Antonieta, branca, 10 meses, filha legitima de Manoel da Rocha Amaral, falecida dia 13 dezembro de 1887, convulsões.  

3. Dr. Mozart Viana do Amaral, funcionário dos Correios e Telégrafos, dono do Engenho São Gonçalo, no município de Jardim, Ceará, 10.09.1940. O Dr. Mozart casou-se com Stela Carvalho do Amaral, pais de 3.1.-3.2.

3.1. Rosalva nasceu aos 27 de abril de 1919, e foi batizada aos 05 de agosto do mesmo ano, pelo Padre Henrique Raulino Mourão. Padrinhos, o Coronel Antônio de Araújo Viana e Dona Maria Batista de Carvalho. Cf. Livro de Batismos, Fortaleza, familysearch.org.

3.2. Simone batiza a 15 de setembro, Fortaleza, sendo seus padrinhos, Raimundo Agostinho e sua mulher Elisa Diogo Agostinho.

4. Sandoval Viana do Amaral casado com Vitória Cabral do Amaral, pais de 4.1.

4.1. Mário Cabral do Amaral, n. Quixeramobim, 24 anos de idade, casou-se a 23 de novembro de 1946, nesta Igreja Paroquial, Fortaleza, com Francisca de Oliveira Martins nasceu aos 31 de maio de 1922, filha de José Pereira Martins e de Francisca de Oliveira Martins. Cf. Livro de Matrimônios, Ceará, familyseaarch.org.

 

    Eduardo, Dudu e Dona Edna, pais de:

2.1.1.4.1. Maria Eliana Jatobá Monteiro, Eliana Jatobá Monteiro nasceu no dia dezesseis de setembro de 1940. Casou-se com José da Cunha Barros Filho, Turma da Academia Militar de Agulhas Negras, 1960, nasceu na cidade do Rio de Janeiro, no dia primeiro de junho de 1937. Tenente Coronel reformado em 2001, por atingir a idade limite na Reserva Remunerada. Pais de três filhos. Eliana faleceu em acidente automobilístico, na cidade de Fortaleza na noite do dia nove de novembro de 1968.

Termo de batismo Eliana: “Aos três dias do mês de outubro do ano de 1940, foi solenemente batizada, na Matriz do Patrocínio, pelo Reverendo Padre Germiniano Bezerra de Menezes, a párvula, Maria Eliana, nascida a 16 de setembro de 1940, filha legítima de Eduardo Brígido Monteiro e Edna Jatobá Monteiro, sendo seus padrinhos Marcelino Nino Perdigão e Nizette Araújo Perdigão. O Vigário, Padre Germiniano Bezerra de Menezes.” Cf. Livro de Batismos, Ceará, familysearch.org.

 2.1.1.4.2  Eduardo Brígido Monteiro, Maninho Brígido nasceu a dez de janeiro de 1942. Casado com geração. 

Termo de batismo: “Aos vinte e quatro dias do mês de maio de 1942, foi solenemente batizado, na Matriz do Patrocínio, pelo Reverendo Padre Germiniano Bezerra de Menezes, o párvulo, Eduardo, nascido a 10 (dez) de janeiro de 1942, filho legítimo de Eduardo Brígido Monteiro e Edna Jatobá Monteiro, sendo seus padrinhos Leonstinis Philopimin e (sua mulher) Helena  (Alves) Damasceno Leonstinis. O Vigário, Padre Germiniano Bezerra de Menezes.”  Obs.: À margem. Extraído para casamento 15.02.1968. Coincidência: Na mesma folha o termo de batismo de um vizinho de Eduardo (Maninho) no Bairro Damas, Elias Romcy Pereira n. 24.03.1942, batizado na Igreja  Matriz, no mesmo dia vinte e quatro de maio de 1942, e filho de Job Gomes Pereira e de Zarifa Romcy Pereira. Cf. Livro de Batismos, Fortaleza. familysearch.org. 

2.1.1.4.3. Estácio Brígido Monteiro (Sobrinho) nasceu no dia 27 de setembro de 1946, na cidade de Fortaleza, onde faleceu a 20 de junho de 2008. O seu prenome e sobrenome homenagem ao tio paterno Estácio, Monteirinho, falecido de forma trágica na Praia de Iracema. Publicitário, aficionado do automobilismo, Comodoro do Iate Club de Fortaleza, 2008/2010. Estácio casou-se com D. Liliana Accioly Carneiro, pais de Renata, Roberta e Raquel.

 

5° filho por Ana Brígido e Armando Monteiro, por adoção.

2.1.1.5. Aldi Bessa de Souza que se casou a 30 de julho de 1938. Fortaleza com o Professor Ademar Nunes Batista. Cf. Livro de Matrimônios, Ceará, familysearch.org. 06.04.1954. Jornal do Brasil. RJ. Sexto Campeonato Brasileiro de Volleyball, contará com a participação do selecionado cearense, que tem como técnico João Lima, auxiliado pelo professor Ademar Nunes Batista. Professor e depois Diretor do Liceu do Ceará, Como Diretor - fevereiro de 1971 - proibiu alunos com 'cabelos excessivamente longos'. No 132 anos de existência do Liceu do Ceará, o Diretor Ademar Nunes Batista comemorou solenemente a data. 19.10.1977.

 

Cf. Ralph Della Cava. Milagre em Joaseiro. Ed. Paz e Terra. RJ. 1976. p. 154. Ver Maria Adelaide Fléxa Daltro Barreto. João Brígido e sua Descendência. Ed. ABC. Fortaleza. 2005. 236 p. Cf. Hugo Victor Guimarães e Silva. Deputados Provinciais e Estaduais do Ceará, 1835 - 1947. Ed. Jurídica. Fortaleza. 1952. Cf, Francisco Augusto de Araújo Lima. Siará Grande - Uma Província Portuguesa no Nordeste Oriental do Ceará. Editora Expressão Gráfica. Fortaleza. 2016.

Fco. Augusto faal.ww@gmail.com genealogia@familiascearenses.com.br Fortaleza, 15.10.2017. Re - edição, 29.11.2018.  Atualizado: 26. 06.2021.