Blue Flower

Seja benvindo(a)!

Digite o termo na pesquisa conforme o Sumário atual da terceira etapa. Aperte o enter e aguarde o melhor resultado. Após entrar no tema da publicação, busque a palavra do seu interesse usando as teclas Ctrl + f. surgirá uma barra superior onde se deve digitar a palavra chave, p. ex. "Dummar", logo aparecerá ressaltada, com o número de vezes que se acha no texto. 

 

   

      

         Casa onde nasceu Chico Anysio. Fonte foto: Google.

     

        Chico Anysio.

   Francisco "Chico" Anysio de Oliveira Paula Filho nasceu a 12 de abril de 1931, em Maranguape, Ceará, filho de Francisco Anysio de Oliveira Paula, homem abastado, e de sua primeira mulher, Dona Haideé Barbosa Viana, Haideé Viana d’Oliveira. O grande humorista Francisco Anysio Filho faleceu na cidade do Rio de Janeiro a 23 de março de 2012.  
   
 FRANCISCO ANYSIO FILHO foi solenemente batizado na Igreja Matriz de N. Senhora da Penha de Maranguape, no mesmo dia em que nasceu, pelo Monsenhor Vicente Salazar da Cunha. Padrinhos, Luís Gervásio Viana Colares e sua mulher Edith de Oliveira Paula Colares, tia paterna do batizando. (Luís Gervásio casou-se a 18 de maio de 1929, na Igreja Matriz de Maranguape com Edith de Oliveira Paula. Testemunhas, Francisco Anysio de Oliveira Paula e Francisco Colares.)
À margem do termo de batismo: 2ª via, 21.05.1951; 20.08.1954 e 05.09.1994. Obs. No termo de batismo e no de casamento dos pais de Chico Anísio, não consta o PAULA, deve ter ocorrido omissão do Padre, pois os termos são mal elaborados, nada informam sobre naturalidade e pais dos nubentes.
 
  A 11 de setembro de 1937, em Parangaba, ocorre gigantesco incêndio na Empresa de ônibus São José de propriedade de Francisco Anysio Sênior, fato determinante para a mudança da família para a cidade do Rio de Janeiro, no ano de 1938. O incêndio determinou a ida da família Oliveira Paula para a cidade do Rio de Janeiro.
 
         Termo de casamento dos pais de Francisco Anysio de Oliveira Paula Filho.
“A 25 de março de 1922, na Igreja Matriz de N. Senhora da Penha de Maranguape, compareceram em minha Presença, Francisco  Anysio de Oliveira, e  Haideé Barbosa Viana, em tudo habilitados segundo o direito e dispensados do impedimento do tempo quaresmal, se receberam como marido e mulher”. Presentes, o Vigário, Padre Joaquim Rosa, as testemunhas, Doutor João Augusto Bezerra, Sinfrônio do Nascimento, (casado a 30 de dezembro de 1905, com Julieta Viana, irmã germana de D. Haideé).
   
   Francisco Anysio de Oliveira Sênior  nasceu a 23 de fevereiro de 1895, em Maranguape, filho de Anísio Augusto de Oliveira, n. em 21 de setembro de 1869, em Sousa, Paraíba, falecido a 21 de setembro de 1900, em Maranguape, e de Ana de Paula Cavalcante Oliveira, n. 13 de fevereiro de 1871, casados a 17 de junho de 1893, na cidade de Maranguape. Neto paterno de  Manoel Joaquim de Oliveira e de Vicência Maria de Oliveira. Neto materno de Miguel José Cavalcante, casado a 02 de dezembro de 1865, na Fazenda Trapiá, Maranguape, com Francisca Paulino da Costa. Miguel José Cavalcante faleceu a 30 de janeiro de 1889, na  Fazenda Trapiá.
 
   D. Haideé Barbosa Viana, n. a 17 de setembro de 1900, em Maranguape, filha de Pedro Barbosa Viana, n. a 03 de maio de 1850, Icó, e faleceu a 30 de junho de 1910, em Maranguape, e de Lupcínia  Magalhães, n. 03 de fevereiro 1859, em Aracati, e faleceu a 26 de novembro de 1918.
   Francisco Anysio de Oliveira Sênior  foi casado três vezes. “O Chico foi filho do primeiro casamento; ele e mais quatro irmãos. Depois o Sênior teve outros quatro filhos de um segundo casamento e sete no terceiro que são os que moram  em São Luís, Maranhão." Informação do irmão do terceiro matrimônio do pai do Chico Anysio, o Juiz de Bacabal, Carlos Roberto Gomes de Oliveira Paula. 
    Jornal o O Povo, 11.09.1937, incêndio empresa de ônibus.
O Estacionamento dos ônibus de Porangaba.
Gigantesco incêndio na Empresa São José, de propriedade do Sr. Francisco Anysio de Oliveira Paula.
Cf. Livro de Batismos, N. Senhora da Penha, Maranguape. Cf. Livros de Matrimônios, N. Senhora da Penha, Maranguape. Pesquisa Fco. Augusto de Araújo Lima. Cf. Alfredo Marques. Maranguape, Sua Gente, Sua História. Ed. Expressão Gráfica, Fortaleza. 2006. 337 p.